Festival Náutico 2017: “Piratas” (Crianças) e “Bidona III” (Adultos) venceram a Regata das Jangadas

Os mais novos construiram as suas jangadas, reutilizando material que ia para o lixo

No decorrer das Férias Desportivas do Clube Naval da Horta (CNH) 2017, os participantes realizaram um projeto relacionado com a construção de três jangadas, tendo sido utilizados materiais já em fim de vida. O objetivo foi sensibilizá-los para a necessidade de se reaproveitar, aderindo à reciclagem, o que ajuda a preservar o meio ambiente.

Esta iniciativa do Observatório do Mar dos Açores (OMA) contou com o apoio do CNH. Recorde-se que as Férias Desportivas do CNH 2017 tiveram como Coordenador o professor Miguel Mendes, da Escola Básica Integrada da Horta, que acompanhou os miúdos nestes trabalhos.

sm2017 jangadas 3

Todos remaram para o mesmo lado e deu certo

Depois de feitas as jangadas – projetadas em papel pelos próprios frequentadores das Férias Desportivas do CNH 2017 – era chegada a hora de testá-las em viagem, no mar. E foi o que aconteceu esta sexta-feira, dia 11, no decorrer do Festival Náutico do CNH 2017. Para tanto, foi organizada uma Regata de Jangadas, em que participaram 4 equipas, 3 de crianças e 1 de adultos, tendo a classificação sido a seguinte:

Crianças:

1ª equipa: “Piratas”

2ª equipa: “Titanic”

3ª equipa: “Mestre Simão”

Adultos:

1ª equipa: “Bidona III”

Travessia do Canal em Jangada: projeto com 15 anos

sm2017 jangadas 4

Franz Hutschenreuter: o chefe da equipa “Bidona III”

Franz Hutschenreuter, líder da equipa “Bidona III”, explicou, em declarações ao Gabinete de Imprensa do CNH, que “o Projeto das jangadas existe desde há pelo menos 15 anos, sendo realizada uma Travessia no Canal Faial/Pico”. Tratava-se de um evento que decorria à parte da Semana do Mar, mas que este ano foi integrado, atendendo à envolvência dos miúdos das Férias Desportivas do CNH. Habitualmente, inscrevem-se equipas de adultos, mas desta vez, e porque havia muitas crianças inscritas, realizou-se uma Regata na Baía.

Este viking navegador, recorda que “havia super-jangadas” e que “já foram construídas outras “Marias Bidonas” (jangadas com bidões), sendo que este ano “é a pão de milho”, ou seja, à vela.

Embora a Travessia do Canal em Jangada seja uma iniciativa com 15 anos, sofreu um interregno de 10, tendo sido retomada há 5. Franz orgulha-se de ser o único que participou em todas as regatas realizadas no âmbito deste Projeto, da autoria do OMA e da Associação de Pescadores de Espécies Demersais dos Açores (APEDA).

“A primeira – lembra – teve uma adesão estrondosa de gente do Pico”, caracterizando-se esta competição por ser “cheia de fairplay”.

Franz Hutschenreuter considera que “o Festival Náutico não é a melhor altura para se realizar este evento, uma vez que toda a gente está muito ocupada noutras atividades”. Como tal, defende que “deve ser encontrada outra data”. “O grande desafio é atravessar o canal”, pelo que este adepto diz que “este ano o nível não foi o mesmo”.

Alertar para a necessidade de se fazer uso de materiais que já não interessam e reutilizá-los, dando-lhes nova vida, é a missão número um deste Projeto, amigo do ambiente e que potencia o desenvolvimento de outras capacidades, além de proporcionar divertidos e saudáveis momentos de companheirismo e aprendizagem. Nesse contexto, foram utilizados bidões, antigos cabos de pesca, antigas almofadas e macas dos Bombeiros, câmaras de ar de motos e bicicletas, perfis de alumínio de janelas e portas e outros, cujo destino era o lixo.

sm2017 jangadas 1

Toca a remar, equipa “Bidona III”!

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.