cal   fb    tw    instagram   telegram   whatsapp   yt   issuu   meo   rss

 

Na Cerimónia de Entrega de Prémios: Organização francesa da Regata “Lorient – Horta Solo” elogia o trabalho do Clube Naval da Horta como um importante parceiro

Chegou de França no fim de Setembro, o Presidente da Direcção do Clube Naval da Horta (CNH), José Decq Mota, na sequência do convite formulado pelas entidades francesas organizadoras da Regata da Classe Figaro-Bénéteau “Lorient - Horta Solo”, para estar presente na chegada da etapa Horta/Lorient e participar na Cerimónia de Entrega de Prémios desta competição, que decorreu no dia 28 do último mês.



José Decq Mota sublinha, a propósito, que “esta Regata foi um sucesso desportivo”, apesar do percalço meteorológico, que obrigou à neutralização da 1ª etapa: Lorient/Horta. De salientar que esta competição encerrou o Campeonato de Elite de França de provas ao largo, em Solitário, tendo, portanto, definido o campeão da Federação Francesa de Vela da Classe Fígaro.

Para o Presidente da Direcção do CNH, “este evento constituiu igualmente um sucesso para o Clube Naval da Horta”. E frisa: “Tratando-se de uma regata em fim de época, trouxe grande animação e movimento à Marina da Horta, consolidando o papel da ilha do Faial, da sua cidade e marina, nos circuitos da Alta Competição à Vela”.

Da comitiva faialense fazia também parte representantes da Câmara Municipal da Horta (CMH) e da Portos dos Açores, SA – que integram a Comissão Náutica Municipal – instituições que foram elogiadas no âmbito da Organização faialense desta Regata.

“Deu para perceber o alto conceito que têm do nosso trabalho, enaltecendo os aspectos Técnicos, os Serviços de Secretariado e a Organização Técnica da partida”, realça José Decq Mota, acrescentando que isso mesmo foi afirmado pelo Maire de Lorient, o Presidente da Associação Lorient Grand Large, bem como o Presidente do Clube Náutico de Lorient. “Todos eles deram grande relevo ao trabalho desenvolvido pelo Clube Naval da Horta, Câmara Municipal da Horta e Portos dos Açores, S.A., notando-se a predisposição para que esta Regata seja realizada neste calendário, de 2 em 2 anos”, sublinha este Dirigente, que a esse respeito não tem quaisquer dúvidas em afirmar: “Vim com a convicção de que em 2016 esta Regata voltará à Marina da Horta”.

Em termos portugueses, a Organização da Regata “Lorient - Horta Solo” esteve a cargo do Clube Naval da Horta e da Portos dos Açores, S.A., contando com o apoio da Câmara Municipal da Horta e da Direcção Regional de Turismo.

O Presidente do Clube Naval da Horta destaca a forma “calorosa” como foi recebido e tratado, sustentando que “este Clube é encarado pelos franceses como um parceiro importante na Organização desta prova”.

O mais alto responsável pelo CNH apercebeu-se do “grande esforço, em termos de orientação e investimento, de muitas entidades no sentido de canalizar para esta cidade náutica (Lorient, que tem 5 marinas) a Vela de Alta Competição”.

José Decq Mota foi testemunha do “magnífico trabalho” que permitiu reconverter uma antiga base naval de submarinos, desactivada em 1997, “num espaço enorme e muito bom para acolher e dar apoio às grandes classes de competição, de que são exemplos as regatas de 6,50 metros, 40 pés, Fígaro e outras”.

Neste mesmo espaço foi criada a Cité de la Voile Éric Tabarly, que constitui uma homenagem ao grande navegador francês, mestre da evolução da Vela nos últimos tempos e o papel dele nesta modalidade.

Na Grand Large também estão presentes as principais marcas de acessórios, relacionadas com o mar. “Ver isto, motiva-nos para continuar a trabalhar nesta área, ainda mais se tivermos em conta que a Horta já faz parte dos circuitos da Vela de Competição”, salienta o Presidente da Direcção do CNH, que prossegue, dizendo: “Todas estas infraestruturas revelam um investimento notável e Lorient tem muito a ver com esta visibilidade enorme. Basta dizer, que a Volvo Ocean Race, a maior competição de Vela à volta do mundo, tem uma escala nesta cidade de França, a qual em 2015 é responsável pela organização da etapa francesa. A Grand Large está a trabalhar muito nesta escala, sendo uma grande aposta”, remata José Decq Mota.