Vencedor da primeira etapa da regata internacional “Défi Atlantique” chegou à Horta esta terça-feira

O skipper Aymeric Chappellier venceu na madrugada desta terça-feira, na Horta, a primeira etapa da nova regata transatlântica "DÉFI ATLANTIQUE", prova de alta competição para veleiros da Classe 40 e navegadores profissionais e semi-profissionais. Os vencedores das 2230 milhas iniciais desta competição quadrienal apresentam na equipa, ainda, Eric Quesnel e Rodrigue Cabaz, no veleiro “Aïna Enfance & Avenir”.

A tripulação francesa, que dominou todo o percurso entre a ilha de Guadalupe, nas Antilhas Francesas, e os Açores, arribou à illha do Faial às 05:46 da manhã de terça-feira, 2 de abril, com o tempo de 9 dias, 15 horas, 46 minutos e 19 segundos, percorrendo, na realidade, considerando os bordos efetuados, 2507 milhas náuticas, com uma média muito apreciável, em face das difíceis condições de vento e mar, de 9,63 nós.

Entretanto, já durante a tarde a navegadora gaulesa Catherine Pourre, de 62 anos, conquistaria o segundo lugar desta "DÉFI ATLANTIQUE", com a embarcação 'Eärendil', perfazendo o tempo de 10 dias, 00 horas, 44 minutos e 41 segundos, com uma média de 9,24 nós. Desta equipa fazem, ainda, parte o francês Antoine Carpentier e os italianos Pietro Luciani e Ambrogio Beccaria (vencedor da Les Sables > Les Açores > Les Sables 2018, para embarcações Mini, no segmento de Série).

defi atlantique earendil 3 2019

A "DÉFI ATLANTIQUE" é uma regata destinada exclusivamente a embarcações de 40 pés de comprimento (12 metros), agregadas na ‘Classe 40’, que se destina a trazer de volta das Caraíbas para a Europa as embarcações que, no final de 2018, estiveram envolvidas na famosa “Rota do Rum”, destacada competição do panorama náutico internacional, que ocorre a cada quatro anos.

A prova envolve, este ano, um total de 51 velejadores, distribuídos por 12 veleiros, dois dos quais já se viram confrontados com sérios problemas – um com mastro quebrado, que regressou ao porto de largada, e um segundo afetado com os lemes partidos, o que o fez divergir para a Bermuda, onde efetuou reparações, dali partindo, de volta à competição, já ao final da tarde de ontem, segunda-feira, 1 de abril.

A "DÉFI ATLANTIQUE" é a primeira regata de alto desempenho a escalar os Açores no âmbito de travessias completas do Atlântico Norte e abre um novo ciclo neste tipo de eventos que todos os anos escalam o arquipélago açoriano e que apresentam, repetidamente, a chancela oficial da Federação Francesa de Vela.

A regata é organizada, conjuntamente, pela Grand Pavois Organisation (GPO) e pela Classe 40, com a colaboração da ‘Região Guadeloupe’, da cidade e dos portos de La Rochelle (França), e tendo como parceiros, nos Açores, a Câmara Municipal da Horta, o Clube Naval da Horta, a Portos dos Açores, S.A. e a Associação Regional de Vela dos Açores, entidades agregadas na Comissão Náutica Municipal da Horta.

HORTA Nautic