Campeonato Europeu de Laser 2019, de 18 a 25, no Porto - Gonçalo Lucas: “Quero tentar fazer boas largadas e aguentar linhas de vento”

Gonçalo Lucas, velejador da Classe Laser Standard do Clube Naval da Horta (CNH), há semanas que se encontra no Porto a treinar para o Campeonato Europeu de Laser 2019, que se realiza de 18 a 25 do corrente, naquela cidade nortenha.

Entre terra e mar, estarão envolvidas mais de 70 pessoas na Organização, que é repartida pela Academia de Vela BBDouro e pela Douro Marina, em parceria com os Municípios do Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos.

O Campeonato Europeu de Laser 2019, a realizar nas águas da Frente Atlântica (Porto, Matosinhos e Gaia), será integralmente disputado no mar, em dois campos de regata: um a Sul, em frente às praias de Vila Nova de Gaia, e um outro a Norte, ao largo das cidades do Porto e de Matosinhos.

Na apresentação desta competição de âmbito europeu, que decorreu na Foz do Douro, no dia 11 deste mês, Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, salientou que “a Vela tem sido “emblemática” para as iniciativas da Frente Atlântica, porque “junta o oceano e o rio que nos une a todos e tem sido sempre uma das vocações no plano desportivo”.

Rui Moreira, que assume este desporto como o seu favorito e foi, aliás, um dos primeiros velejadores Laser em território nacional, enfatizou que a Frente Atlântica não tem custos para o erário público. “Conseguimos fazer uma associação sem custos, não tem orçamento, não tem funcionários, não custa um tostão. Baseia-se apenas numa boa colaboração entre os três Municípios, usando as estruturas que temos”, vincou.

O Laser é um barco de classe olímpica com regatas disputadas apenas por um velejador. Conhecido por ser uma embarcação que exige muito da capacidade física do tripulante, é considerado o barco de regata mais popular do mundo, com mais de 200 mil embarcações espalhadas por 140 países.

“Só quero dar o meu melhor em cada regata individual” 

Em declarações ao Gabinete de Imprensa do CNH, Gonçalo Lucas afirma que “esta é uma prova de aprendizagem”. E frisa: “É a minha primeira regata internacional mas para “o resto do mundo” é uma prova quase do mesmo nível que o Campeonato Mundial, em que todos os países, não só da Europa, trazem os seus melhores velejadores. Como tal, quero perceber como é o funcionamento de regatas desta dimensão, retirar o máximo de informação possível sobre os outros atletas e aprender com eles”.

O velejador do Clube Naval da Horta refere que o seu maior objectivo passa por “tentar fazer boas largadas e aguentar linhas de vento”. E acrescenta: “Fazer as regatas todas também era bom, já que ainda não recuperei totalmente da lesão que tenho nas costas”.

Quanto a expectativas, adianta: “Não tenho grandes expectativas, visto que nunca andei com uma frota tão grande [164] e com tanta qualidade. Não levo, portanto, qualquer tipo de pressão para o campo de regata. Só quero dar o meu melhor em cada regata individual”. 

Os Sub-21 são a próxima regata importante que Gonçalo Lucas irá disputar.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.