Jogos das Ilhas 2019: Maísa Silva, velejadora do CNH, ficou no 3º lugar Feminino Individual e no 2º por Equipas

Maísa Silva, do CNH, foi 3ª em Feminino Individual 

“Correu lindamente!”, afirma, sorridente, Maísa Silva, quando questionada sobre os resultados da sua participação na 23ª edição dos Jogos das Ilhas, que decorreu de 20 a 27 deste mês, na ilha da Córsega. A velejadora do Clube Naval da Horta (CNH) tem motivos para sorrir, pois, conquistou o 3º lugar Feminino Individual e o 2º por Equipas, juntamente com Inês Pavão, de São Miguel. A velejadora do CNH arrecadou o Bronze e ajudou a alcançar a Prata.

Estão, pois, de parabéns a atleta, o Treinador, o CNH e o Faial, já que Maísa Silva foi a única velejadora faialense a participar neste evento, integrando o lote das duas açorianas que representaram a Vela Ligeira nos Jogos das Ilhas 2019.

Além de Maísa Silva, e no que à Vela Ligeira diz respeito, a Selecção dos Açores era composta por Inês Pavão e Miguel Mendes, do Clube Naval de Ponta Delgada (São Miguel), e por Duarte Barcelos, da Praia da Vitória (ilha Terceira), que se fizeram acompanhar pelo Treinador Hugo Ponte e por Ana Pimentel Braia, representante da Associação Regional de Vela dos Açores (ARVA).

O apuramento da Selecção que representou os Açores na Vela – os melhores da modalidade na Região – foi feito com base no ‘Ranking Regional’: os dois primeiros rapazes e as duas primeiras raparigas, tal como vem sendo habitual.

“Houve sempre pouco vento”

jogos ilhas maisa 2 2019

Maísa Silva e Inês Pavão defenderam brilhantemente os Açores ao arrecadarem o 2º lugar do pódio, por Equipas

Ao longo dos três dias de prova foram realizadas 16 regatas: 8 pela frota feminina e 8 pela frota masculina.

“O mar esteve calmo e as regatas decorreram sem grandes dificuldades em termos técnicos”, recorda Maísa Silva, sublinhando que “houve sempre pouco vento”. E prossegue: “No primeiro dia, o vento esteve entre os 7 e os 9 nós; no segundo dia, apresentou-se ainda mais fraco, o que fez com que tivessemos ficado à espera que ele entrasse; e no terceiro já houve mais vento, com velocidades semelhantes ao primeiro mas sempre abaixo dos 9 nós”. “A maior dificuldade – destaca a velejadora do CNH – foi mesmo o facto de o vento ter sido pouco”.

As regatas decorriam alternadamente entre a frota feminina e a masculina e, curiosamente, para os velejadores “havia sempre vento e para as velejadoras não”. Mesmo desfavorecidas pela meteorologia, Maísa e Inês brilharam e trouxeram dois pódios para a Região Autónoma dos Açores, tendo a velejadora de elite do CNH se destacado ao conquistar dois títulos.

Tendo em conta o desempenho dos rapazes, a Equipa dos Açores ficou na 4ª posição da geral.

Além dos Açores, a edição de 2019 dos Jogos das Ilhas juntou as Selecções de Malta, Córsega (com duas equipas) e Sicília, num total de 19 velejadores.

“O Treinador e a Equipa foram excelentes!”

Questionada sobre a apreciação feita por Hugo Ponte, a atleta faialense assinala: “O Treinador disse que estávamos ao nível das italianas e das francesas!”

E quando a instigamos a pronunciar-se sobre o Treinador, responde sem pestanejar: “Foi uma excelente ajuda. Nunca tínhamos estado juntos ou conversado anteriormente mas a verdade é que parece que nos conhecíamos há anos no que respeita à relação treinador/atleta. O Hugo revelou-se uma grande ajuda em termos técnicos, colaborando em terra e dando palpites. Muito bom!”

E quanto aos restantes colegas da Equipa dos Açores “houve um convívio excelente! “Divertimo-nos, ouvimos música, jogamos às cartas. Esta participação constituiu mais uma experiência, possibilitando aprendizagens várias”.

Terminadas as regatas, a Equipa Açoriana passeou de “Open Dick” e Hobie Cat” (barcos à Vela emprestados) no porto da Bastia.

No último dia, em que o programa era livre, foi possível jogar Voleibol com as outras equipas.

Maísa Silva reviu um amigo de Malta, da edição de 2018, e enaltece a Orgnização, que foi “muito acolhedora”.

Duarte Araújo, Treinador de Grau II e Coordenador da Escola de Vela do Clube Naval da Horta – que se encontra a recuperar devido a uma questão de saúde – acompanhou a a sua atleta. “Ele deu-me os parabéns e pareceu que estava orgulhoso do meu desempenho”, revela Maísa Silva.

Recorde-se que este foi o terceiro ano consecutivo que a atleta do CNH participou nos Jogos das Ilhas, o que poderá ter funcionado como uma despedida atendendo às dores nas costas de que se vem queixando.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.